Follow by Email

domingo, 8 de novembro de 2009

Diagnóstico de Leitura e escrita em classes em Alfabetização

Como fazer um diagnóstico de hipóteses de escrita na alfabetização inicial, desde o ditado, passando pela triagem e entrevista individual até a análise da escrita.


Fonte: Nova Escola, You Tube, Alfabetização



A sondagem ou diagnóstico serve para conhecer o que a criança sabe e o que ela não sabe sobre a escrita.


Assim, o professor pode planejar as atividades de escrita e de leitura que vai realizar com a sua turma para que elas estejam de acordo com a realidade dos seus alunos.

Recomenda-se que ele comece com uma palavra polissílaba, depois uma trissílaba, uma dissílaba e uma monossílaba.

A palavra monossílaba deve vir por último, pois de acordo com Regina Scarpa, coordenadora da FVC, a palavra monossílaba gera um conflito muito grande na criança não alfabética, pois o recurso utilizado por estas crianças é escrever palavras com três letras.Devem ser palavras que estejam em um mesmo campo semântico, para que a criança fique mais localizada em relação ao que está sendo ditado.

È importante ditar uma frase que tenha uma das palavras do ditado, para verificar se houve identidade nas escritas.

Posteriormente, o docente deve dar uma atividade diversificada para as crianças para que ele possa fazer uma triagem do que foi produzido, ali mesmo na sala de aula.

Ele ou ela vai fazer uma separação de atividades que não contemplaram o nível de alfabetização previsto e vai orientar de forma individual as crianças que estão em transição de hipóteses.

A criança vai ler a palavra e apontar com o dedo onde está escrito o que está lendo.

Tal atividade vai dar um suporte para direcionamento das atividades que serão desenvolvidas com as crianças, a posteriori.

Conhecer as hipóteses de escrita das crianças, os professores podem formar grupos de forma criteriosa.

Na Rede Pública de Ensino de Assis, a orientação dada pelas supervisoras é não corrigir as aividades das crianças em pelna sala de aula durante o período de ensino.

Nesse ponto, é divergente essa orientação, pois se a criança está trabalhando o conteúdo, é oportuno que seja revista e reordenada a atividade naquele momento.

Scarpa (2009), orienta que não são todas as crianças que serão chamadas a mesa para entrevista individual.

Somente aquelas que estão em uma hipótese não alfabética.

Refletindo sobre esses pressupostos, é interessante planejar uma atividade que contemple todas essas orientações.

Um comentário: